• Apresentação
  • Lugares
  • Tema
  • Formato
  • Histórico
  • Equipe
  • 2018

    TRAJETO 1

    Montevidéu (Uruguai)

    TRAJETO 2

    Santiago (Chile)

    TRAJETO 3

    São Paulo (Brasil)

    TRAJETO 4

    Lyon (França)

    TRAJETO 5

    Munique (Alemanha)

    JUNHO

    JULHO

    JULHO

    SETEMBRO

    OUTUBRO

    montevidéu

    lyon

    munique

    santiago

    são paulo

    MONTEVIDÉU (URUGUAI))

    Como o tema global da plataforma veiculoSUR afeta Montevidéu e suas/seus agentes? Conflito de normas sociais e corpos estranhos são temas urgentes no Uruguai? Quem e como enfrentam situações ligadas aos temas?

    SÃO PAULO (BRASIL)

    Feiras livres, a arte “in situ(ações)“.

     

    Quais são os códigos/normas destes espaços complexos como as feiras livres em São Paulo? Quem são os corpos estranhos? Quem protagoniza? Como se estabelecem os diálogos?

    SANTIAGO (CHILE)

    Território, marcas arquitetônicas, gentrificação

    e os lugares de poder dentro destas forças.

     

    Como essas forças afetam os corpos? Quem são os empoderados? Quais são os corpos estranhos e quais são as normas?

    LYON (FRANÇA)

    O território corporal como lugar de identidade privilegiado.

     

    Corpos vulneráveis, violentados, discriminados, em luta frente às normas impostas pela sociedade.

    Transformação e modificação corporal, o movimento transgênero/ transidentitário e construções identitárias híbridas.

    MUNIQUE (ALEMANHA)

    Corpos estranhos, com origem e cor de pele.

     

    Fluxo de chegadas e sistemas de integração social. Normas sociais e regras judicias. Como atravessam os corpos que estão em processo de deslocamento? O que é provincialismo? O que significa os privilégios de uma sociedade e a custo de quem?

    veículoSUR , é uma plataforma

    IMPULSORA DE REDES ARTÍSTICAS,

     

    que propõe como formato de ação

    UMA RESIDÊNCIA INTERNACIONAL ITINERANTE.

     

    O objetivo é o encontro e o

    DIÁLOGO ENTRE ARTISTAS

    de diferentes países.

    PROPOMOS UMA VIAGEM CONSTANTE DE MOVIMENTO E REFLEXÃO,

    um deslocamento de sul a norte.

     

    A PLATAFORMA É UM CONVITE

    de aproximação aos contextos econômicos, sociais, políticos e artísticos de cada lugar, um reconhecimento acerca das maneiras de fazer arte de cada local e seus artistas.

     

    Coloca, assim, diferentes modelos de criação e produção em diálogo. Desta maneira, buscamos relativizar o conceito de um “norte” como guia, construindo outros modos de criar e produzir, configurando novos e múltiplos “nortes”, independente de convenções político-geográficas.

    Teremos cinco paradas, nas quais estarão presentes artistas locais e estrangeiros: Montevidéu/ Uruguai, Santiago/ Chile, São Paulo/ Brasil, Lyon/ França e Munique/ Alemanha. Em cada uma delas, serão experienciados processos artísticos colaborativos, entre artistas de diferentes linguagens.

     

    A relação com nosso entorno, arquitetura, território, urbanismo, códigos sociais e como repercute no nosso corpo e movimento é a temática que move os encontros, uma busca constante de reconhecermos, apesar das distâncias e diferenças, um novo modo de criação, uma convergência de ideias que ajude a deslocar nossas próprias ações.

    ETAPA I

     

    Convocatória dos artistas de cada um dos lugares (Montevidéu, Santiago do Chile, São Paulo, Lyon e Munique). Em cada local, será selecionado um artista que comporá a equipe itinerante e mais cinco artistas locais que se somarão a eles, possibilitando uma maior pulverização das ações.

    Em cada país haverá um artista anfitrião e produtor local.

     

    A residência itinerante será composta por 5 etapas, com estadia de 15 dias por país. O artista anfitrião dará o suporte ao encontro e pesquisa.

    CALENDÁRIO

    ETAPA II

    Desdobramento do processo dos encontros e futuras colaborações artísticas

    Trajetos realizados em 2014/2015/2016

    EQUIPE

    CONCEPÇÃO

    Marcela Olate, Thais Ushirobira, Maëlys Meyer, Mario Lopes e Martin Lanz.

     

    PARCEIROS

    Goethe Instituto São Paulo, SESC  São Paulo, Kulturreferat München, Instituto Françês, INAE Montevidéu.

    Tanztendenz Munique, GEN Montevidéu, NTH8 Lyon, Emmetrop Bourges.

    Plataforma PLUS, Lusofonia, Humavida.

     

    PRODUÇÃO EXECUTIVA

    Daniela Hoelzl

    Plataforma PLUS

     

    COORDENAÇÃO

    Santiago Marcela Olate

    São Paulo Thais Ushirobira

    Lyon Maelys Meyer

    Munique Mario Lopes

     

    GRÁFICOS

    Marcelo Sodré a.k.a Cão Fila

    CURRÍCULOS

    • Marcela Olate

      é intérprete, criadora e colcabora de ações culturais. Vive em Santiago do Chile, onde tem se dedicado à danças em seus diferentes âmbitos. Foi intérprete em obras como: “Lenta y Transparente”, Lury Gutes; “Hombre Construido”, Petri Kekoni; “Excêntrica Feminidad”, Sonia Araus; dentre outras. Trabalhou por três anos no Colectivo de Arte La Vitrina, em que atuou como intérprete-criadora, além do apoio na gestão e produção do Coletivo.

      No ano de 2012, dirige a obra “De la Seña a la Traza”, e em 2016, em colaboraçãoo com Daniela Marini e Javiera Sanhueza cria a obra “Una Imagen”, em conjunto com o Coletivo de Arte La Vitrina.

      Nos meses de outubro e novembro de 2016 participa da residência itinerante Vehículo Sur; atualmente cria o Projeto Trasvase, como ponto de encontro de gestão, produção e colaboração com artistas locais e internacionais, como a versão, no Chile, da plataforma veículoSUR, em outubro de 2017.

    • Thais Ushirobira

      é artista da dança. É pesquisadora do corpo e da construção de presenças em diálogo com o ambiente, com foco nas singularidades e poéticas que se configuram nessa relação. Co-fundadora do Núcleo Aqui Mesmo - proposições site specific em dança -, com o qual realizou os projetos ]entre[ aberto (2012), De segunda a sexta-feira (2013), Situ(ações) (2014) e |entre|ladeiras (2015), e performer criadora do grupo Lagartixa na Janela - dança para crianças em espaços público. Também é preparadora e terapeuta corporal.

      Participou do Movimiento Sur (Chile), em 2014, e das demais ações do veículoSUR no Brasil e México.

    • Mario Lopes

      é coreografo e articulador/gestor cultural. Coreógrafo integrante do coletivoDMV22, com as obras "VRUM(2009)", "a cidade se move(2010)", "vrumvrumzinho(2011)", "ENTRE(2012)", "TREPP(2013)", "Movimento I, parado é suspeito(2014)", performance "Keller(2015)" e o processo "Re_sistir_existir(2016)".

      Em outubro de 2016 iniciou o processo da coprodução coreográfica "ALBUM kodex_feedback" com o coreógrafo mexicano Martin Lanz, que terá estreia no dia 20 de maio de 2017 no teatro HochX-Munique.

      Como gestor e articulador cultural, é Diretor Geral e uns dos curadores da plattformPLUS/Munique e sócio executivo da HumaVida Produções/São Paulo. Desde 2015 articulando a plataforma veículoSUR.

    • Maelys Meyer

      é diretora e produtora de cinema documentário, em Lyon.

      Foi jogadora de basquete profissional, e seu trabalho é muito influenciado por este passado.

      Seu cinema questiona os corpos. Corpos esportivos, bailando. Corpos vulneráveis, deficientes, híbridos. No seu último documentário, exibido em France Télévisions (“Objectif Rio”, 2016), trabalha com esportistas profissionais deficientes. Atualmente, trabalha na realização de um documentário sobre soldados machucados no combate, com Dynamo Production.

      Em 2013, encontra o coreógrafo Mario Lopes, numa residência em Munique. Ali colabora nos elementos visuais dos seus projetos (vídeos do espetáculo “TREPP”, em 2013, e vídeos-dança em Vienna, Praga, Lyon). Em novembro 2016, se junta ao projeto veículoSUR, depois de uma residência no México. Em Lyon, vai propor - com o apoio do pesquisador Philippe Liotard (especialista da questão da transformação e da modificação corporal), ações que tratem da relação entre corpo e identidade e, assim, das novas possibilidades de construções identitárias que o movimento trangênero/transidentitário abre.

    Os encontros terão como tema transversal

     

    “Normas sociais e corpos estranhos”,


    e cada país tratará de um subtema decorrente:

    As ações da residência itinerante veículoSUR serão desenvolvidas no

     

    decorrer dos dois anos:

    VEICULOSUR